Você gosta do que faz?

Dizem que perdemos tempo, ou não somos totalmente felizes, quando não fazemos o que gostamos, mas o dom de estudar e referenciar o passado e continuar planejando o futuro, mesmo executando aquilo que “teoricamente” não se gosta, pode ser uma plataforma de acesso para o que se realmente deseja.

Já parou para pensar no que você faz, e o quanto isso pode ser importante, não só para sua vida, mas também para vida de pessoas bem próximas a sua? Ou já ficou sem palavras quando alguém de pergunta; Você gosta do que você faz? Então, isso pode ser normal para algumas pessoas, e a resposta vim de imediato, mas para outras, pensar é fundamental. Talvez o que essa pessoa execute não mexa tanto com seu ser interior e isso pode ser um problema se não for visto como uma etapa da vida e que, isso pode ser sim, necessário passar para poder criar forças e movimentar energia em outros projetos.

Projetos que geralmente chamam “Lado B” da sua vida. E porque assim é chamado? Porque esse projeto que você tanto gosta ainda não te gera renda e o capitalismo, é phoda irmão, e trata de chamar no diminuitivo ou dar uma importância inferior aquilo que não se dá uma renda.

Mas o “Lado A” pode ser massacrante por conta de uma serie de coisas, inclusive como ele é visto por você, (criatura do capitalismo). Mas não precisa ser tão cruel com o que você faz. O importante é planejar como sair dessa bolha e criar possibilidades, motivacionais em executar o que te sustenta. Com toda certeza você já escutou o termo, “Pensar fora da Caixa” só cuidado, tem muita gente usando esse termo para o mal, ou não tem a definição correta da palavra. Esse termo na verdade significar, “pensar em uma forma, que não seja a mesma, a velha forma convencional” Não se amarre as mesmas ideias de sempre, não cometa os mesmos erros de pessoas próximas, ou familiares que não conhecem a importância de se fazer o que gosta. Use a frase de maneira correta e siga sempre em frente, mesmo parecendo que nunca vai ter fim. Não esqueça isso é um ciclo e se deve tirar o maior proveito possível dele.

Lembre-se o fim só chega quando um ciclo de sua vida realmente termina. Não mire no mesmo alvo que todos acham que é certo, não se limite, crie suas próprias regras e impulsione seu lado B, usando o seu Lado A. Você pode pensar que uma coisa não tem nada haver com a outra, mas no fundo uma complementa a outra e isso pode vim de varias formas; experiência, condição financeira, estrutura emocional para encarar um novo ciclo, entre outros. Mas para isso é importante “Pensar Fora da caixa”.

 

Alexandre Neres

Comunicador de rádio de poste, de rádio comunitária, hoje agitador Cultural se comunica através de Podcast e, Hora do Vinil e escreve para o projeto site cultural Quintalorando. Pai de Luisa e João. casado com Jaciara Marques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *